Crônicas: Episódio 5 | A complexidade da simplicidade do Superman de Zack Snyder

Crônicas: Episódio 5 | A complexidade da simplicidade do Superman de Zack Snyder

Olá, pessoa! Como vão? Estamos, mais uma vez, reunidos para apresentá-los o nosso quadro “Crônicas”. Em nosso quinto episódio desta coluna, resolvemos fazer algo um pouco diferente. Traremos uma reflexão bem minuciosa que apresenta os níveis grandiosos que o Homem de Aço pode atingir com seu personagem. Uma abordagem mais aprofundada e muito bem feita, realizada pela Aleena V., no site ComicBook Debate, intitulada “A complexidade da simplicidade – O retrato multidimensional do Superman de Zack Snyder”.

Zack Snyder foi responsável por três dos dez filmes no DCEU, até agora. Ao analisar criticamente seus filmes, torna-se aparente que Snyder teve uma grande visão para seus filmes, pois foi além das histórias de super-heróis convencionais que vemos ainda hoje. Ao olhar especificamente para seus três filmes, através das lentes do Superman, um arco multidimensional brilha. O Homem de Aço é, talvez, o filme mais simples, porém o mais afetivo de Zack na DC.

Com Batman vs Superman: A Origem da Justiça sendo mais complexo e sombrio e a Liga da Justiça de Zack Snyder um filme multifacetado em temas e sub-tramas, o brilho de O Homem de Aço é simplificado, sendo uma história que fala sobre Clark Kent no mais puro dos modos. Na visão do diretor, o DCEU teve que começar com o Superman, explorando a simplicidade do personagem de Clark Kent. Como ele aponta na trilogia, o Superman está em sua essência, ou seja, é “apenas um cara tentando fazer a coisa certa”. A sequência em Batman vs Superman adicionou camadas ao que O Homem de Aço construiu. Apesar de quão puro e simples o Superman seja, ele também é o homem mais poderoso da Terra e, com isso, vem o fardo de uma imensa responsabilidade. Batman vs Superman começou exatamente onde O Homem de Aço terminou.

Isso abriu outra dimensão para a vida do personagem. O que o Snyder pretendia, essencialmente, era uma ilustração de causa e efeito, dentro da história do herói. Clark Kent, em seu próprio mundo, estava lidando com a ideia de que o mundo poderia odiá-lo por ser um alienígena. Seu conflito contra Zod pode parecer, apenas, uma disputa de um ser contra o outro. Mas quando você é o Superman, não é só mais uma simples disputa, pois ela tem repercussões catastróficas. Bruce Wayne estava examinando o conflito entre dois alienígenas com um sentimento de impotência e Lex Luthor estava lidando com seu complexo de inferioridade.

Para Bruce e Lex, e até mesmo para o resto do mundo, Superman parecia um deus todo-poderoso imparável e perigoso. Mas no momento em que a palavra “Martha” foi pronunciada, Bruce percebeu que aquele alienígena era apenas um cara comum, um filho tentando proteger sua mãe. Ele não era tão diferente dos humanos quando se tratava de emoções. Pode parecer que a multidimensionalidade do DCEU de Zack Snyder termina aqui, mas não termina. Batman vs Superman finaliza com o Clark dizendo a Lois que ela é o seu mundo e, em seguida, sacrificando sua vida para salvar todo o mundo. Teria sido muito mais simples se Superman fosse, apenas, mais um homem comum, mas não importa o quão simples e puro ele seja, ele é o maior super-herói do mundo.

Seu sacrifício pode parecer comum, mas seus gritos de morte ecoaram por todo o mundo. O início da Liga da Justiça de Zack Snyder, novamente, nos apresenta uma ilustração de causa e efeito. Cada filme que passa expande as dimensões do Superman, como também seu impacto mais amplo para o universo DC. A mera existência do personagem estava mantendo os inimigos de outros mundos à distância. Seus gritos eram tão poderosos que, no momento em que ele morreu, as caixas maternas acordaram e sinalizaram a chegada do Lobo da Estepe.

A Liga reconheceu a importância do Superman e o trouxe de volta à vida. Mas, enquanto sua existência impedia que o Lobo da Estepe viesse para a Terra, Clark Kent estava vivendo uma vida simples com as pessoas que amava. Ele realmente não percebeu o impacto que criou à sua volta. Com o futuro do Universo DC se ramificando em várias direções, é difícil saber se Snyder terá permissão para terminar sua pentalogia do Superman, com a Liga da Justiça parte ll & lll. Mas, sabendo como o diretor esboçou o arco do herói, pode ser seguro assumir que este ciclo contínuo de causa e efeito vai continuar. Se os dois últimos filmes explorassem a realidade da morte e renascimento do Superman, o próximo filme exploraria um mundo onde o Superman não era mais puro, mas alguém realmente maligno, expandindo as sequências de Knightmare, na franquia.

Espera-se que um filme da Liga da Justiça seja um grande espetáculo, onde enfrentam um vilão poderoso como Darkseid, de fato. Mas, no final das contas, essa saga de DC sempre seria a história de um garoto do Kansas, que queria viver uma vida simples com as pessoas que amava. Os storyboards, certamente, indicavam que, no fim de tudo, Clark Kent voltaria para sua história, como um símbolo máximo de esperança. Isso foi belamente ilustrado, durante o segundo vôo do Superman, em Liga da Justiça de Zack Snyder.

Em um momento em que o nosso mundo está cercado por ameaças de outro e uma liga inteira de super-heróis é formada, Superman lembra as palavras de seus pais biológicos e adotivos, ressaltando ao público, e até a si mesmo, que ele é mais humano do que o mundo o percebe. Não importa o quanto a escala da história seja ampliada, esta ainda é a história de Clark Kent.

Eu diria que Zack Snyder entende o personagem do Superman a tal nível que seu plano era mostrar todos os aspectos do personagem em múltiplas escalas. O Homem de Aço era a história do Superman em sua forma mais pura. Os filmes, a seguir, expandiram os anteriores e mostraram o Superman, através dos olhos de outras pessoas. Batman vs Superman explorou o personagem através dos olhos do mundo e a Liga da Justiça de Zack Snyder explorou ele através dos olhos de habitantes e inimigos de outros mundos. Foi um grande esforço mostrar o quão complexo o personagem do Superman pode ser!

Para explorar o Superman, você não precisa filmar sequências dele salvando gatos das árvores todos os dias. Um personagem como ele, não importa o quão puro e simples possa parecer, tem uma presença e uma imensa importância, em todo o universo.

Ex-Colaborador Marcelo

Percebi que o bom da vida muito se encontra na arte. Sou apenas alguém que a observa e a deixa se comunicar, permitindo que sua graça se transmita a eu sentir sua excelência. Sendo assim, ela fala sem dizer nada, e na voz do seu silêncio, tornou-se minha amada. Foi assim que descobri gosto por obras primas como O Senhor dos Anéis, Star Wars e DC. E nesse mundo da imaginação, sou aquele fortemente ligado a fantasia e ficção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.