Atriz vê mais representatividade feminina em Snyder Cut, que na versão de 2017

Atriz vê mais representatividade feminina em Snyder Cut, que na versão de 2017

Esta semana marcou o aniversário de quatro anos da estreia de Liga da Justiça nos cinemas, e também o início do movimento #ReleaseTheSnyderCut. Desde o lançamento, os fãs se reuniram para o que, na época, parecia ser um corte mítico do filme do diretor original, Zack Snyder, que deixou o filme ao lado da produtora e esposa Deborah Snyder, após a morte de sua filha. O diretor de Vingadores, Joss Whedon, reescreveu e refez o filme, que foi difamado por críticos e fãs.

Em 2021, a visão de quatro horas do filme de Snyder foi finalmente lançada na HBO Max. E foi aclamado pela crítica e público por suas diferenças gritantes. Se você assistir os dois cortes lado a lado, uma das maiores mudanças é como o filme de 2021, conhecido como Snyder Cut, retrata suas personagens femininas na tela. A versão 2017, de Joss Whedon contém mais de uma dúzia de momentos crítico em relação à Mulher-Maravilha, Lois Lane, Amazonas e muito mais.

A atriz Samantha Win é um elenco constante de Zack Snyder, interpretando: a guerreira amazona Euboea, Liga da Justiça; Chambers, em Army of the Dead e; Lin Woo, em Snow Steam Iron. Recentemente a atriz foi perguntada, pela revista Insider, sobre as diferenças entre os dois filmes de Liga da Justiça, sua personagem é vista brevemente no início dos longas, ela morre heroicamente enquanto servia a Rainha Hipólita, para proteger a Caixa Materna do vilão Lobo da Estepe.

Quando assisti a versão de 2017, quase me fez pensar: ‘Oh, essa é apenas a performance que eu fiz e isso é apenas o que a história era’, porque eles usaram muito do que eu havia filmado, mas parecia diferente do que eu pensei que seria. A conexão não era tão forte. Eu no momento que vi, simplesmente não estava sentindo tanto.

No corte do cinema, um grande foco foi o Lobo da Estepe sexualizando as Amazonas enquanto tentava adquirir a caixa. Em vez de parecerem guerreiras poderosas, elas eram facilmente derrubados e pareciam estar desesperadamente fugindo de um monstro que estava excitado pela emoção da perseguição.

No filme de 2017 (à esquerda), Lobo da Estepe está animado com a emoção da perseguição, desafiando a Rainha Amazona a tentar ultrapassá-lo. No corte de 2021, é dominado pelo poder das Amazonas. Assim que vê a caixa-materna fora de seu alcance, ele grita: “Não!”

Win não voltou para nenhuma refilmagem do filme quando Whedon assumiu o controle. Então, quando ela soube que Liga da Justiça de Zack Snyder iria estrear na HBO Max, ela inicialmente pensou que suas cenas seriam “um tanto semelhantes“. Esse não foi o caso.

Foi muito surpreendente para mim como parecia diferente sendo editado e montado por outra pessoa.

O corte de Snyder colocou o foco de volta nas Amazonas, em vez do Lobo da Estepe, que saiu como um predador no corte do cinema. Agora, em vez delas o temerem, parece que ele está à mercê dessas guerreiras divinas.

Liga da Justiça de Zack Snyder também restaurou alguns momentos com Euboea, onde agora a vemos salva por Hipólita e lutando com cavalos para as duas escaparem. As cenas dão mais peso à sua morte, então quando você a vê escapar, há mais um apego emocional ao sacrifício do personagem.

A personagem de Samantha Win, em “Liga da Justiça de Zack Snyder”, teve mais tempo de tela. (Reprodução: Warner Bros / HBO Max )

Quando Lobo da Estepe escapa, no filme de 2021 tem uma tomada extra para homenagear a guerreira caída.

Na versão de Zack, eu senti mais a conexão com a rainha. Eu senti que significava mais. Havia mais significado na minha personagem, Euboea, como representante de todos as amazonenses. Parecia muito mais significativo e simbólico para todas as mulheres da ilha, em vez de ser apenas uma espécie de morte aleatória. Significou algo na ‘Liga da Justiça de Zack Snyder’. Não sabia que poderia ser assim. Portanto, foi uma surpresa muito agradável. Só não tinha ideia até assisti-lo e me senti muito melhor comigo mesma, com minha atuação, mas também foi uma diferença noturna em como eu me sentia em relação às mulheres no filme e na jornada emocional dos personagens. Isso apenas reforçou a ideia de que os olhos do diretor juntando tudo é tão importante.

Cena deletada da versão de 2017. (Reprodução: Warner Bros./HBO Max)

A versão de Snyder do filme também cortou uma linha onde, após adquirir a caixa-materna, Lobo da Estepe declara que todas as Amazonas irão amá-lo.

Win disse que não percebeu essa diferença enquanto assistia, mas reconheceu como a linha transmitia “uma mudança de tom”.

O diálogo de Lobo da Estepe na versão dos cinemas Liga da Justiça, de 2017. (Reprodução Warner Bros.)

‘Você vai me amar’. (Win repetiu o diálogo de Lobo da Estepe) Acho que todos nós, como mulheres, conhecemos homens assim, e é um grande alerta vermelho. Colocar isso em um personagem e ter isso em um filme que crianças e jovens estão vendo, em todo o mundo, não é a melhor coisa.

Zack Snyder também falou para a revista Insider sobre a restauração das personagens femininas em sua versão, e mencionou Deborah, sua parceira de produção e esposa.

“Minha parceira é uma mulher muito forte e sinto uma grande responsabilidade em garantir que as personagens femininas sejam representadas com dignidade e honra. Faço o meu melhor para realizar isso.

Deborah e Zack Snyder

Algo que deixaria Zack Snyder feliz neste ponto, seria restaurar o SnyderVerse da DC, mas já disse que aguarda as cabeças mais frias avaliarem isso, pós fusão Warner/Discovery. Por enquanto, Snyder está focado na Netflix, com seu universo original de zumbis (ArmyVerse) e seu próximo filme, Rebel Moon, que começará a ser rodado em março de 2022.

Andre Guilherme

É Andre, sem acento mesmo. Um viajante do Multiverso com Q.I elevado para Legos.

One thought on “Atriz vê mais representatividade feminina em Snyder Cut, que na versão de 2017

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.