O legado de Batman | 5 motivos que provam que o Batfleck é o mais humano do cinema

O legado de Batman | 5 motivos que provam que o Batfleck é o mais humano do cinema

O Batman sempre foi um dos personagens mais amados dos quadrinhos. Criado em 1939, por Bob Kane e Bill Finger, o herói se popularizou pelas abordagens diferenciadas para cada vilão, além de sua destreza como detetive e, claro, por sua visão mais realista e sombria, que teve seu ápice na versão de Frank Miller, no fim dos anos 80.

No cinema não é diferente. Ao longo dos anos, o Batman já teve diversos rostos, sendo os de Michael Keaton, Christian Bale e Ben Affleck os mais conhecidos pelos fãs. Passando por momentos diferentes na cultura cinematográfica e da humanidade em si, cada Batman trouxe consigo uma missão e arrastou uma legião de fãs. Keaton, por exemplo, teve como missão principal entregar um Batman real e que fosse tão marcante quanto o Superman, de Christopher Reeve, e conseguiu. Seus filmes, principalmente o primeiro, foram aclamados por fãs e pela crítica, sendo o símbolo de muita nostalgia até dos dias atuais.

Mas, como tudo sob a tutela da Warner é mais complicado, Keaton deixou o posto após Batman – O Retorno e abriu espaço para as visões mais controversas e não tão amadas do Cavaleiro das Trevas. Passados alguns anos, desde o último filme, em 2005, Christopher Nolan e Christian Bale assumiram a missão de recolocar o Batman no mapa e conseguiram. Com sua visão de mundo, que moldou uma geração, Nolan entregou um Batman sombrio, calculista e bastante fiel aos pedidos dos fãs. O segundo filme, O Cavaleiro das Trevas, foi o ápice da trilogia e é aclamado até hoje, recebendo prêmios e sendo um guia para o que os filmes do “herói mascarado” devem ser.

Christian Bale pendurou o capuz em 2012, após Batman: O Cavaleiro das Trevas Resurge, deixando um vazio nos fãs e uma preocupação com o próximo nome a ser anunciado como Batman, no DCEU, que seria iniciado por Zack Snyder e O Homem de Aço. Logo após o lançamento do filme, que abriu bem esse universo compartilhado, Ben Affleck foi revelado como Batman, tendo uma recepção mista do público por conta de papéis passados feitos pelo ator.

Com o lançamento de Batman vs. Superman, Ben Affleck foi bastante elogiado pelo seu Batman, apesar das (injustas) críticas ao filme de Zack Snyder. Para os que não gostaram, o argumento era de que o Bruce Wayne deste universo era frio, assassino, cruel e sem humanidade, mas a saga até Liga da Justiça de Zack Snyder prova totalmente o contrário. Baseado fielmente nos acontecimentos de Batman vs. Superman e Liga da Justiça de Zack Snyder, elaboramos uma lista de cinco motivos que mostram a humanidade deste Batman.

1. SEU SURGIMENTO

A primeira cena de BvS e sua trilha, Beautiful Lie, são realmente marcantes até para aqueles que não gostam do filme. A morte dos Wayne e o surgimento do Batman nunca foram tão bem representados, princpalmente pelo impacto emocional que os tiros, o rompimento do colar e o grito de Bruce nos mostram. Ali, Bruce corre para a floresta tentando fugir de uma realidade onde perdeu seus pais, mas acaba encontrando na dor um motivo para seguir. Ele precisa ser o Batman, precisa salvar pessoas. Precisa salvar Gotham.

2. A BATALHA DE METRÓPOLIS

Logo na sequência, Bruce chega a Metrópolis em meio ao caos da luta entre Superman e Zod. Lá, apesar de ser apenas um cara normal, demonstra preocupação com seus funcionários e corre em direção aos destroços da Wayne Financial, sem se importar com nada além de salvar pessoas. Após a queda do prédio e a morte de Jack, encontra uma criança e a abraça, sabendo o que ela sente por ter perdido a mãe. Até mesmo a raiva do Superman mostra a humanidade de Bruce, que mesmo pelos meios e atitudes agressivas, só quer proteger a humanidade.

3. MARTHA

Talvez umas cenas mais emblemáticas e emocionantes do cinema. Muito pela trilha de Hans Zimmer, essa parte do filme toca a alma dos espectadores, exemplificando claramente a epifania de Bruce, ao lembrar de sua mãe e desistir de executar um homem comum, o Superman, a sangue frio. Perceber o erro, entender o que fez e se desculpar com Clark foi uma das atitudes mais humanas de Bruce. Reconhecer a importância da mãe e reafirmar seu lugar no mundo, também.

4. O LEGADO DO SUPERMAN E A LIGA DA JUSTIÇA

Depois da morte de Clark, Bruce percebe que precisa ser mais do que um vigilante mascarado de Gotham. Ele precisa honrar o legado e formar a Liga da Justiça para proteger o mundo. Apesar das dificuldades, Bruce não descansa até cumprir sua promessa e formar o grupo, reunir os heróis e realizar o maior feito do Batman: A Liga da Justiça.

5. FÉ, ALFRED. FÉ!

Já no ápice da sua recuperação e depois da ressurreição do Superman, Bruce diz a Alfred que Clark irá ajudar a Liga, na batalha. Baseado apenas na fé, o Batman parte com o grupo para enfrentar Steppenwolf e seus lacaios, em uma missão praticamente suicida. Retribuindo a fé, o Superman surge e os ajuda a vencer, salvando o mundo. A fé de Bruce é a prova de sua humanidade e recuperação. E tem espaço para mais.

Lucas Gomes

Fã do cinema e de trilhas sonoras, aprendi a amar a DC muito cedo, encontrando nos filmes de Zack Snyder ideais para levar por toda a vida. Aproveite a jornada!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.