Rebel Moon é mais empolgante como um original, do que como um spinoff de Star Wars

Rebel Moon é mais empolgante como um original, do que como um spinoff de Star Wars

Inicialmente apresentado para ser um spinoff de Star Wars, Rebel Moon ganhou vida própria, tornando-se uma história original da Netflix. Com um elenco, que fez bastante sucesso após o anúncio, o longa está se preparando para ser um grande lançamento, ainda mais agora que não está vinculado a uma franquia existente.

  • Sinopse: A história fala de uma colônia pacífica na borda da galáxia que é ameaçada pelos exércitos de um regente tirânico chamado Belisário (Rupert Friend). Desesperados, os colonos despacham uma jovem (Boutella) com um passado misterioso para procurar guerreiros de planetas vizinhos para ajudá-los a resistir.

O fato de Rebel Moon explorar esse tipo de narrativa dentro de um universo recém concebido, no entanto, significa que há mais espaço para construção de mundo original, do que nos filmes de Star Wars.

Se Zack Snyder tivesse dirigido algum filme de Star Wars teria sido incrivelmente divisivo, na melhor das hipóteses. Dada sua história com o DCEU e a divisão entre elogios e reações duras que perseguem até hoje. Assumir outra grande franquia, sem dúvida, implicaria um lançamento do filme com uma enorme controvérsia, já que Star Wars é um dos maiores IPs do mundo. Embora seja compreensível que Snyder quisesse fazer parte disso, Rebel Moon sendo o início de uma nova franquia de ficção científica e de sua própria criação, torna tudo ainda mais emocionante e curioso.

Ator Djimon Hounsou, em primeira imagem do longa Rebel Moon
Ator Djimon Hounsou caracterizado como personagem General Titus | Divulgação Zack Snyder

Além do passado controverso relacionado à franquia de Zack Snyder, outra razão pela qual Rebel Moon é muito mais interessante agora que é um original, é pelo estilo único que Zack tem em produzir seus filmes. Embora isso não tenha sido um problema no DCEU, já que o diretor estabeleceu um tom em sua franquia na DC (Snyderverse), ter restrição dentro do universo de Star Wars provavelmente seria um obstáculo para ele e não um benefício.

Os filmes de Snyder são grandiosos e épicos, com visuais inventivos e sequências de ação hiper-estilizadas. Poderia ser difícil imaginar esse estilo usado dentro da franquia Star Wars, mas Rebel Moon pode ser definido por ele e ajudá-lo a provar exatamente porquê merece atenção para o início de uma nova franquia épica de ficção científica.

Enquanto Rebel Moon, certamente será objeto de debate contínuo, este filme será inegavelmente a visão de Snyder por completo. Ao criar sua galáxia fictícia, Zack Snyder contornou o alvoroço que certamente se seguiria se ele tivesse assumido o posto de diretor de algum capítulo de Star Wars.

Desta forma, Rebel Moon dá a Snyder espaço para brincar com todos os conceitos que tornam o gênero de ficção científica tão amado, sem pisar em nenhum pé, fornecendo a ele, um reino livre e necessário para dar vida à sua visão criativa.

Snyder confirmou Charlie Hunnam, Ray Fisher, Doona Bae, Jena Malone, Staz Nair, E. Duffy, Charlotte Maggi, Sky Yang, Rupert Friend e Stuart Martin como parte de um grande elenco, em fevereiro, e desde então foi relatado que Cary Elwes, Michiel Huisman, Alfonso Herrera e Corey Stoll, juntaram-se ao time de estrelas do filme.

Rebel Moon conta com Snyder, que irá co-escrever, dirigir e produzir o filme, além dos co-roteiristas Shay Hatten (Army of the Dead) e Kurt Johnstad (300). Rebel Moon está em produção e estreia na Netflix.

Via: Screenrant

Já conhece o nosso Portal no Twitter?
Entre para o Fandom, acompanhe as novidades e faça parte dos Movimentos pró-Zack Snyder!

Andre Guilherme

É Andre, sem acento mesmo. Um viajante do Multiverso com Q.I elevado para Legos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.