OFF | Crítica sobre Thor: Amor e Trovão

OFF | Crítica sobre Thor: Amor e Trovão

 Se você também não é muito fã do nosso loiro, alto, bonito e forte, Thor, e de suas HQs, provavelmente, com a estreia do novo filme do herói, sua perspectiva possa mudar.

  • Trailer: 
  • Sinopse:Thor: Amor e Trovão”, da Marvel Studios, apresenta o Deus do Trovão numa jornada diferente de tudo o que já enfrentou – a procura pela paz interior. Mas a reforma de Thor é interrompida por um assassino galáctico, conhecido como Gorr, o Carniceiro dos Deuses, que procura a extinção dos deuses. Para combater a ameaça, Thor pede a ajuda da Rei Valkiria, de Korg e da ex-namorada Jane Foster. Para surpresa de Thor, Jane Foster empunha inexplicavelmente o seu martelo mágico, Mjolnir, e se intitula a Poderosa Thor. Juntos, eles embarcam numa angustiante aventura cósmica para descobrir o mistério da vingança do Carniceiro dos Deuses e detê-lo, antes que seja tarde demais.

O que esperar?

Com algumas referências aos filmes da franquia, Thor: Amor e Trovão tenta, de maneira leve, mostrar um outro lado do herói não muito explorado. Afinal, no filme anterior, vemos o seu lado mais raivoso e tenebroso.

Diferentemente, esse filme possui poucas cenas de combate de nosso herói. Desta vez, o foco não está no Asgardiano sendo um deus poderoso, derrotando vilões que querem destruir planetas ou a humanidade. No entanto, prende-se na volta de sua ex-namorada, Jane Foster (Natalie Portman), e em sua dignidade por segurar o mjionir. A transformação de uma mera humana, em uma guerreira mitológica nórdica é o ponto central de Thor: Amor e Trovão. Como todo filme da Marvel, há antagonistas, lutas e lição de moral, ao fim da trama.

Minhas Impressões

Não podemos esquecer que o humor é sempre um fator que a Marvel gosta de utilizar em todos os filmes. Neste, há várias referências engraçadas, que remetem ao último, Thor: Ragnarok e à outras mitologias, como por exemplo: a grega.

Por conta dessa mistura de conhecimento e de deuses, Thor: Amor e Trovão conta com o nosso eterno gladiador, Russel Crowe, numa participação mais do que especial e de Christian Bale no papel de Gorr, o vilão do filme.

A parte técnica do filme não deixa a desejar, afinal o diretor conseguiu de forma genial mesclar algumas cenas com uma trilha sonora excepcional. Inclusive, a música utilizada, nos créditos, foi Holy Diver, da banda Dio ~ apenas quem viu o filme e conhece a música, entenderá. ~ Sem contar no uso inteligente da palhetas de cores… é possível ver a mudança radical dos tons: de marrom ao extremamente colorido, do extremamente colorido à escala de cinza (preto e branco), e por aí vai. ~ Bem interessante!

Conclusão

O que podemos tirar de lição do filme é que todas as mitologias e religiões têm falhas e que o mundo tem de aprender a não esperar e depender tanto dos deuses, para não haver decepções futuras. O filme também tenta passar que o amor é um sentimento que move o mundo, podendo, este, ser de forma negativa ~ o que acaba se transformando em decepção e ódio ~ ou de forma positiva ~ que pode salvar a humanidade.

NOTA: 8,0
Thor: Amor e Trovão estreia, nos cinemas brasileiros, dia 07 de Julho de 2022.

Já conhece o nosso Portal no Twitter? Confira nossas Cabines de Imprensa e Críticas do Portal sobre as Obras do Snyder! Acesse, também, o nosso site anexo, UmDCnauta, para ficar por dentro das principais notícias das produções cinematográficas!

Thaoana Bokel

Uma pessoa viciada em cultura asiática, mas que faz umas pontas bem interessantes no mundo nerd, quando é pra salvar a pele dos amigos. Fã do Snyder, não tão fã da Marvel, assim, mas prometo ser neutra durante minhas críticas, então se não curtir, perdoe-me. Algumas cabines no currículo, um humor ácido e muita coisa pra contar.

2 thoughts on “OFF | Crítica sobre Thor: Amor e Trovão

  1. Olha, não vou mentir, eu tinha um certo preconceito com esse filme desde primeiro trailer, de que a galhofa iria falar mas alto, porém essa sua crítica realmente despertou a minha curiosidade, especialmente com relação à mensagem de que “todas as mitologias e religiões têm falhas e que o mundo tem de aprender a não esperar e depender tanto dos deuses, para não haver decepções futuras”, é algo bem pessoal. Ótima crítica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.