Se eu avançar, siga-me. Se eu recuar, mate-me. Se eu morrer, vingue-me

Se eu avançar, siga-me. Se eu recuar, mate-me. Se eu morrer, vingue-me

Zack Snyder costuma utilizar a frase “Se eu avançar, siga-me. Se eu recuar, mate-me. Se eu morrer, vingue-me”, com certa frequência. Em 2015, durante as gravações de Batman vs. Superman, o diretor foi visto vestindo uma camisa com essa frase, nos bastidores. Mas, seria ela extremista?

Infelizmente, a tentativa de demonizar a persona Zack Snyder como alguém horrível e detestável, vem ganhando força a cada dia. O número de youtubers e influenciadores que tentam atrelar a visão do diretor a um neofascista, ditador e extremista, cresce absurdamente. E acredite, tudo é pautado em fake news.

Ultimamente, existe um “youtuber” que vive para comparar e apontar as ‘supostas atitudes’ do diretor como um ditador. Ao vermos que ele utiliza a última matéria da Rolling Stones como referencial teórico, sabemos que, pessoas como ele, só querem um motivo para confirmar tudo aquilo que gostariam que fosse verdade.

Origem da citação

A citação “Se eu avançar, siga-me. Se eu recuar, mate-me. Se eu morrer, vingue-me”, vem de Henri du Vergier, conde de la Rochejaquelein (30 de agosto de 1772 – 28 de janeiro de 1794), um general da insurreição monarquista da Vendéia. La Rochejaquelein era o general mais jovem em batalha e, aos 21 anos, serviu como comandante-chefe do Exército Católico e Real.

Henri de La Rochejaquelein um dos os líderes do exército católico e real na Guerra da Vendée, durante a Revolução Francesa

A mesma citação é muito utilizada em tropas navais e militares. Ela foi roubada e, posteriormente, utilizada por Benito Mussolini, na reunião do governo italiano, em 7 de abril de 1926, que seria o resumo perfeito de projeto autoritário e personalista de poder do ditador.

Em tempo, em contextos diferentes, a frase possui significados distintos. Mas, o contexto inexiste na cabeça de algumas pessoas, porque segundo elas, o simples fato de um ditador usar uma citação, a torna dele. Portanto, quem a usa, também é ditador. O extremismo da rotulação passa a considerar, somente, o que é ou não “de bom tom”.

Meu Deus! Se o Mussolini enxergou isso nessa frase, é certo que o Snyder viu exatamente isso. Um grito perfeito para guiar sua massa de minions-bots e ser o grande Diretor-Ditador que coloca estúdios aos seus joelhos, ativando o modo Lex Luthor que existe dentro dele.

A posição de Zack Snyder

Meus caros, como o próprio Snyder já falou: “As pessoas veem o que elas querem ver”. Essa fala foi para o jornal The Guardian, quando a atriz Sarah Polley perguntou ao diretor qual era seu posicionamento político, já que muitas pessoas costumam ver uma tendência de direita em seus filmes. A resposta foi:

Eu voto democrata! Sou um verdadeiro amante dos direitos individuais. Sempre fui um defensor extremamente forte dos direitos das mulheres e do direito de escolha das mulheres, sempre estive cercado de mulheres poderosas. E, é claro, sou um grande defensor dos direitos de todas as etnias e de todos os estilos de vida. Eu diria que sou um cara bastante liberal. Quero ter certeza de que todos foram ouvidos e se sentiram incluídos. Não tenho uma agenda política de direita. As pessoas veem o que elas querem ver.

A liberdade criativa em jogo

Zack Snyder é um artista, e como tal, desenvolve diversos papéis. Ou vocês acham, fielmente, que um ator/roteirista para interpretar/escrever sobre Hitler nos cinemas é simpatizante dele? É claro que não! Então, por que Zack Snyder é criticado por estar desenvolvendo o filme do livro The FountainHead (A Nascente), de Ayn Raid?

Por que precisamos normalizar tweets como esse (acima), como verdades impostas por um simples “não gosto desse cara”? Todo mudo tem o direto de não gostar de alguém, seja por um fato concreto ou pela máxima “meu santo não bateu”. Agora, inventar teorias, com afirmações falsas para endossar uma justificativa frágil, é questionável, para não dizer extremista.

Principalmente, quando estamos em época de campanhas que nos orientam a verificar os fatos. São justamente essas pessoas que aderem este movimento, as primeiras a caírem em notícias falsas, quando se trata de algo que agrada seus olhos. E não bastando cairem, propagam, não checam e preenchem a lacuna da justificativa que lhe faltava para não gostar de tal pessoa.

Do que se trata The FountainHead (A Nascente)?

Zack apresentou pela primeira vez a ideia de adaptar The Fountainhead, em 2016, mas a ideia foi engavetada, enquanto ele continuava trabalhando no universo cinematográfico da DC.

Em 2018, o filho de Zack (Ezekiel) registrou uma foto do pai trabalhando ainda no roteiro de The Fountainhead.

O tema principal das histórias da escritora Ayn Rand são sobre os controles religiosos e políticos que – impedem indivíduos de perseguir o interesse próprio e – devem ser removidos.

A cena de sexo entre os protagonistas no início do livro The Fountainhead (A Nascente) é ​​um estupro em que “ela lutou como um animal”. Só por essa descrição inicial, vemos muita semelhança de uma crítica específica que costumam estar presente nos filmes de Snyder. (Sucker Punch, Army of the Dead, Snow Steam Iron e O Homem de Aço).

A origem do rótulo extremista e o extremismo ao rotular

Em 2021, Zack esteve no podcast “Life is Short”, de Justin Long, e durante a entrevista, o diretor falou sobre sua adaptação de The Fountainhead (A Nascente). Ele acredita, que para fazer o filme, precisamos de um “governo mais liberal” para que “todos não pirem, ou algo assim”.

Para muitas pessoas é uma grande coisa política, mas para mim não é tanto sobre isso.

Snyder comparou o processo de produção do filme com o enredo do romance, explicando porque ele se conecta a um nível pessoal. Talvez, o fato dele ter falado o que a história significa para ele, fez com que imediatamente as pessoas acreditassem que sabem exatamente o que se passa na cabeça de Zack. Deduzem que sua visão é extremista, apontando que aqueles que consomem suas obras, são seguidores de um culto organizado e orientado por uma figura odiosa que orquestra sabotagens malignas em Hollywood.

Todo esse texto poderia ser uma grande piada. Mas, chega ser triste vermos como épocas de intolerância tornaram, até mesmo, a admiração por um cineasta, um ato político sem cabimento, onde a maior verdade é a mentira propagada.


Já conhece o nosso Portal no Twitter?
Entre para o Fandom, acompanhe as novidades e faça parte dos Movimentos pró-Zack Snyder!

Andre Guilherme

É Andre, sem acento mesmo. Um viajante do Multiverso com Q.I elevado para Legos.

4 thoughts on “Se eu avançar, siga-me. Se eu recuar, mate-me. Se eu morrer, vingue-me

  1. Sobre o Snyder ser ou não de Direita: desde que não apoie movimentos extremistas e posições totalitárias é total direito dele ter uma cosmovisão mais conservadora/liberal clássica, a Liberdade De Expressão deveria ser para todos os lados que respeitam a Democracia e não guiada por um senso de ´´se não apoia tal lado então é do mal“, este tipo de mentalidade que permitiu a ascensão do Totalitarismo (de Extrema-Esquerda e Extrema-Direita) no Século XX. O próprio Snyder disse que não é de Direita e que evita extremismos, e mesmo assim ainda teimam em imputar coisas odiosas e aspectos que jamais fizeram parte do Snyder nem como Pessoa e nem como Artista.

  2. Seu comentário foi totalmente complementar ao texto! Obrigado por ver desse modo e saber ver ambos os lados de forma coesa. Em épocas de polarização, visões assim são raras.

    1. Obrigado amigo, realmente estas épocas de polarizações complicam muito análises mais detalhadas e imparciais sobre os temas, em especial de um diretor cujos ´´críticos“(não todos) passaram dos limites da crítica cinematográfica e expressão de aspectos que não admira nos filmes do Snyder para a pura perseguição pessoal e tentativa de assassinar a reputação dele, eles agem como os movimentos totalitários do Século XX mentindo e imputando falsidades para tentar engrandecer uma narrativa totalmente descolada da realidade. Deus Abençoe que um dia as pessoas se libertem desta mentalidade de ódio e sentimento de vingança apenas porque o outro pensa diferente ou porque tal cineasta têm uma visão condizente com a essência dos personagens porém a leva para as telas de uma maneira não ortodoxa(o Snyder foi o único que levou para o Live-Action o Simbolismo Cristão em torno do Superman e o aspecto do Medo levar Bruce Wayne as trevas e logo após ele ter Fé e retornar para a Luz). Obrigado mesmo e que Deus E Nossa Senhora O Abençoem Sempre e #RestoreTheSnyderVerse

  3. Sobre o “Youtuber”, o que esperar daquele cara que vive bancando de intelectual e arrotando arrogância ? O pior é que dão palco para ele dançar, o cara vive vendo fascismo nas coisas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.